Reviravolta no comando da Câmara Municipal de Conde. Após abrir os trabalhos na tarde desta segunda-feira (28) com a presença dos 11 vereadores, os cinco parlamentares que integram a base da prefeita Márcia Lucena (PSB) se retiraram do plenário e conseguiram junto ao juiz plantonista de Alhandra, uma liminar que determinava o retorno do presidente interino, Juscelino do PPS, ao comando da câmara.

Ele foi destituído na quinta-feira (24), após a oposição realizar novas eleições e eleger Daniel Junior (PR) como novo presidente do legislativo condense. Os governistas alegaram irrregularidades no processo, entre elas, ausência de publicação do resultado da eleição no Diário Oficial do município, ou seja, a nova eleição, oficialmente, não foi registrada. Como a publicação compete ao executivo, a oposição alega que houve manobra para anular o processo.

A clima na sessão foi de animosidade. O prédio da câmara foi cercado por policiais armados de fuzis. Após o resultado, os vereadores de oposição prometeram recorrer da decisão. A  instabilidade política e jurídica imperam no município. Inevitavelmente, o caso vai parar nas instâncias superiores e tanto os trabalhos do executivo quanto do próprio legislativo ficam emperrados. Na cidade, se teme que aconteça no Conde algo semelhante ao que já ocorreu em Sapé e Santa Rita.