Em entevista ao jornalista Heron Cid, no Programa Frente a Frente, na TV Arapuan, de João Pessoa, na noite desta segunda-feira, 14, o prefeito Romero Rodrigues (PSDB), de Campina Grande, disse que as oposições na Paraíba não podem abrir mão de estimular um bom debate sobre o melhor nome para a disputa em 2018 e que não vai aceitar, sob qualquer hipótese, imposições nesse processo de escolha.

“Não acho inteligente definir já este ano o candidato ao Governo, nem se obstruir qualquer pretensão legítima na disputa no arco das oposições”, opinou ele, no Programa Frente a Frente, apontando qual devem ser os três princípios a reger a postura de cada um: sabedoria, discernimento e humildade.

Na avaliação do prefeito campinense, o principal critério para definir o candidato a governador no próximo ano no âmbito das oposições é a gestão; os bons modelos administrativos nos municípios que podem servir de referência sobe a capacidade de cada gestor de enfrentar as crises, superar com criatividade as dificuldades financeiras e criar uma cultura de planejamento de médio e longo prazos que norteiem as macro-decisões gerenciais.

“Por esses critérios, mantenho meu nome à disposição de meu partido e das oposições”, destacou.

Sem forçar a barra

Para Romero Rodrigues, é um absurdo se imaginar que o nome do candidato que represente as oposições tenha urgência na escolha, já que o importante agora é que tanto ele como Luciano Cartaxo (PSD), prefeito de João Pessoa, desempenhem bem a missão que receberam nas urnas de 2016 de, reeleitos, administrarem seus respectivos municípios.

“Particularmente, continuarei focado na gestão de Campina Grande, sem obsessão por ser candidato, sem forçar a barra e sem comprometer, durante a semana, minha agenda de gestor – alfinetou o tucano, deixando claro que se manterá aberto a convites de colegas e lideranças para compromissos políticos nos finais de semana, não aceitando patrulhamento de quem quer que seja.

Sobre a possibilidade de deixar o PSDB, como chegou a ventilar, Romero Rodrigues esclareceu a Heron Cid deque houve má interpretação a uma declaração recente que ele deu à imprensa. “Admiti deixar o partido de olho na conjuntura nacional, por conta dos fatos que abalaram a imagem da legenda, deixando claro que se os dirigentes tucanos levarem a sigla a uma situação insustentável, não me sentiria à vontade de permanecer nela”, explicou, deixando claro que em nível estadual mantém-se tranquilo, sem deixar de expressar suas opiniões democraticamente.