Após ser afastado pelos vereadores da Presidência da Câmara Municipal de Conde, nas semana passada, por oito votos contra dois, para ser investigado por denúncias de superfaturamento e favorecimento à empresa da mãe, Naldo Cell (PT), renunciou ao cargo de chefe do legislativo condense na tarde desta segunda-feira (14). A decisão faz parte de uma manobra para ele não ser cassado.

Com o afastamento de Naldo, o vice-presidente, irmão Kaká (PMDB) assumiu a presidência temporaramente, mas também renunciou para o primeiro-secretário, o vereador Juscelino (PPS) comandar a Câmara de Conde. Na sessão de hoje, estava na pauta o afastamento definitivo de Naldo Cell e o pedido de Cassação do parlamentar. De acordo com o Regimento Interno, na vacância do presidente e vice, o mais votado deveria assumir e convocar novas eleições.

Os oitos votos que afastaram Naldo eram suficientes para cassar o mandato do vereador, porém, numa articulação da prefeita da cidade, Márcia Lucena (PSB), o irmão Kaká e Pinta mudaram de posicionamento. Com a renúncia, a investigação contra Naldo perde o objeto, entretanto, os veresdores prometem acionar o Ministério Público para dar prosseguimento às investigações.