O líder da oposição na Assembleia Legislativa, Hervázio Bezerra (PSB), rebateu as críticas do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), sobre a terceiruzação da educação na Paraíba. Segundo Hervázio, como não tem o que mostrar em seis anos de gestão, o prefeito mudou a estratégia e agora tenta polemizar sobre temas que mão foram instituídos no atual governo.

“Ele foi omisso à inúmeros fatos políticos do país. Cito alguns. Contra ou a favor do impeachment de Dilma? Contra ou a favor da reforma trabalhista? Contra ou a favor da condenação de Lula? Contra ou a favor das investigações contra Temer? São temas nacionais que têm reflexo na vida de todos os Brasileiros, não precisa dizer o porque. Diante de uma gestão pálida, que não tem o que mostrar em 6 anos de governo, estrategicamente vem tentar polemizar com o governador Ricardo Coutinho sobre um tema que ao longo de vários se arrasta sem uma solução para este grande e grave problema, Herdado por RC, não instituído ou criado por ele”, afirmou.

De acordo com o socialista, a decisão do governador em regularizar a situação dos prestadores de serviço do estado, através de Organização Social, foi uma atitude acertada e inteligente. Para ele, a oposição torcia para que o governador demitisse mais de 17 mil pais de família, o que geraria um caos social, mas Ricardo decidiu contratar e valorizar esses profisionais.

” Só existiriam duas alternativas. Primeira, demissão sumária de aproximadamente 17 mil pais de família. Esta decisão afetaria à todos os municípios, economicamente e socialmente e a efetivação de concurso público para admissão de pessoal. Com certeza, esta tese da demissão seria a de melhor agrado para a oposição, pois fatalmente iriam chamar o governador de insensível e de carrasco. A decisão do governo em acomodar, os atuais prestadores de serviço precário do estado ( sem direito a férias, décimo terceiro, licença a gestante, FGTS, ) em OS, com todos os direitos trabalhistas assegurados, foi efetivamente uma decisão inteligente e acertada. O tempo que é senhor da razão irá confirmar o que estou a dizer. O estado não perderá o controle, das ações , da qualidade dos serviços, nem da atividade fim das escolas. Se houver, que com certeza, não vai haver, a qualquer tempo, o governo poderia ou poderá rever, e se fosse o caso retroagir de qualquer medida que viesse prejudicar o serviço público. Essa reação da oposição é apenas dor de cotovelo, porque nunca tiveram essa ideia. Os prestadores de serviço, serão contratados e valorizados”, argumentou.

Hervázio não poupou críticas ao deputado Pedro Cunha Lima (PSDB). Segundo do líder do governo, o tucano precisa diferenciar terceirização de OS. “Quanto ao parlamentar do PSDB, é importante que eles saibam diferenciar o que é um termo de parceria público e transparente entre o governo e uma OS, com finalidades específicas, definidas e claras. Bem distante de uma terceirização, pelos termos praticamente irreversíveis, tal qual foi feito com a CELB, em Campina Grande. No caso de parceria do governo do estado com OS, com cláusulas específicas e definidas ” caso o governo deseje pode reverter há qualquer tempo. Em qualquer governo. Ex. Trauma, UPA etc e no caso da CELB, qual o governo que pode reverter. Disso eles entendem”, alfinetou.