A vereadora Eliza Virgínia (PSDB) rebateu nesta segunda-feira (28), qualquer tentativa dos opositores de associar a candidatura à Presidência da Câmara Municipal de João Pessoa do vereador Marcos Vinícius (PSDB) ao governador Ricardo Coutinho (PSB).

Leia mais: Hervázio diz que RC lhe deu total autonomia para articular eleição da Mesa na CMJP

Em contato com o blog do Anderson Soares, nesta segunda-feira (28), Eliza destacou a independência do grupo que apoia o tucano. Segundo Eliza, cada vereador do grupo foi eleito com muita garra e determinação, independente das grandes estruturas de poder.

“Mais do que nunca essa eleição de apenas 45 dias nos mostrou, mais do que nunca, o valor desse mandato. Não foram as grandes estruturas e poder quem nos elegeu. Foi uma eleição suada. Vencemos com garra e determinação. Por isso, sabemos o valor da independência que a Câmara”, afirmou.

Segundo ela, existe um  pacto  e filosofia entre os 15 vereadores grupo, que é o entendimento de que o Poder Legislativo Municipal precisa de isenção, independência e harmonia entre os poderes.

“Não existe interferência do governador nem  do prefeito. Sabemos o que sofremos para no eleger. Essa Mesa com esses 15 vereadores está propondo um trabalho com isenção, pautado na independência do Poder Legislativo Municipal”, concluiu.

Bola fora

Nos bastidores, comenta-se que pegou mal a declaração do vereador João Almeida (SD) de que a bancada governista, por ter maioria, 16 votos contra 11, não precisaria de dos votos da oposicão para eleger o presidente da CMJP.

De acordo com informações, aliados oposicionista de Durval Ferreira (PP), entre eles, Chico do Sindicato (PTdoB) e Tibério Limeira (PSB) ficaram constrangidos com a declaração do colega.