Confusão na sessão desta terça-feir na Assembleia Legislativa da Paraíba. Tudo porque na hora da votação de um veto do governador Ricardo Coutinho (PSB), o painel registrou o voto do presidente da AL, Adriano Galdino (PSB). Nada demais se o deputado estivesse presente na sessão.

Percebendo o equívoco, o deputado Raniery Paulino (PMDB), chamou a atenção do deputado João Henrique (DEM), que presidia a sessão. Ele reconheceu o equívico e determinou a votação em papel. Raniery disse destacou a gravidase do episódio e cobrou da Mesa Diretora, uma auditoria no painel eletrônico.

“O que aconteceu hoje é gravíssimo. Foi computado o voto do presidente da AL, que estava ausente da sessão. Inclusive, ele é o único que pode votar duas vezes. Sugeri que votássemos da forma manual e foi o que aconteceu. Mas além disso, estamos cobrando uma auditoria no painel porque o que aconteceu é muito grave. Se isso acontecesse em outra gestão, imagine o que não estariam dizendo”, expressou Paulino.

O deputado Tião Gomes (PSL) afirmou que já vem denunciando a fragilidade do painel eletrônico desde a votação para escolha da Mesa Diretora, na qual protagonizou uma confusão ao desligar o painel e suspender a votação por algumas horas.

Já o secretário legislativo da AL, Washington Rocha, informou que o modelo eletrônico não é uma ideia originária da Assembleia Legislativa, mas idealizado pelo Congresso Nacional. Ele disse que é importante a averiguação, mas afasta qualquer associação com fraude.

” Esse sistema não foi criado pela Assembleia Legislativa. É um sistema da Câmara Federal. Vamos afastar esse modelo de votação e também averiguar o que houve. O que pode ter acontecido é a duplicidade da senha do presidente Adriano Galdino, mas por um erro no sistema”, declarou.