A Polícia Federal indiciou, nesta sexta-feira (26), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sob suspeita de corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro no inquérito que investiga o tríplex de um condomínio em Guarujá, no litoral de São Paulo.

O apartamento é investigado na Operação Lava Jato, que apura se a empreiteira OAS beneficiou o ex-presidente ao bancar reformas por conta própria em uma das unidades do condomínio.

O imóvel estava reservado à mulher de Lula, Marisa Letícia, que argumenta que pagou ao longo de quatro anos parcelas do apartamento, mas que desistiu da compra.

O prédio era de responsabilidade da Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários), que, em crise financeira, repassou a edificação para a OAS em 2009.

A defesa de Lula vem sustentando ele nunca foi dono de uma unidade no prédio, desistiu da compra e não foi favorecido pela empreiteira.

OUTROS INDICIADOS

Marisa Letícia também foi indiciada, sob suspeita de crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, foi indiciado sob suspeita de corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

José Aldemário Pinheiro, o Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, foi indiciado sob suspeita de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro.