” A situação de Santa Rita é de calamidade”. Foi com essa declaração que o prefeito de Santa Rita, Netinho de Várzea Nova (PR), justificou os graves problemas financeiros e administrativos no município.

Netinho disse que a alternância do poder e uma dívida de mais de R$ 43 milhões da Previdência geraram o caos na cidade. Para o gestor, nem ele nem Reginaldo Pereira tiveram tempo suficiente para planejar as ações na cidade.

” Em 2013, o déficit da Previdência do Município era de R$ 43 milhões. Hoje, o rombo é muito maior. Por isso, que não há recursos para pagar os aposentados. A situação do IPREV é de calamidade. A alternância do poder prejudicou Reginaldo e a mim também. Não tivemos condições de planejar”, disse.

Além disso,  os repasses do FPM, ICMS e do Fundeb quase 50% nos últimos dois anos, segundo a Prefeitura. Em 2014, o FPM era R$ 24 milhões, em 2016 caiu para R$ 11 milhões. O ICMS era R$ 27 milhões em 2014 e caiu para R$ 11 milhões esse ano. Já o Fundeb era R$ 44 mi, hoje o repasse é de R$ 25 mi.

Segundo o prefeito, recentemente durante reunião entre Prefeitura, Ministério Público e Sindicato dos Servidores, o MP sugeriu a demissão dos funcionários efetivos para colocar o pagamento em dia.

“Não desejo para o meu adversário pegar a cidade na situação que pegamos. A situação é tão grave, que o Ministério Público sugeriu a demissão dos servidores efetivos para garantir o pagamento dos funcionários.  Por isso, decidi não disputar a reeleição. Vou  fazer o que tem feito. Meu foco é a administração. Não vou deixar o povo sofrendo desta forma. O meu sucessor vai pegar uma bomba. Não existe essa história de salvador da pátria. A situação do município é muito complicada. Mas espero deixar a gestão melhor do que peguei, ressaltou.