A presidente afastada Dilma Roussef (PT) afirmou na tarde desta quarta-feira (15), durante Audiência Pública, no Espaço Cultural, em João Pessoa, que a democracia está sob ameaça de um golpe com sérias consequência para a nação brasileira.

Ela sustentou a tese de que no passado os golpes implicavam na extinção do regime democrático, na atualidade, o golpe age de forma mais disfarçada, mas não menos prejudicial à sociedade brasileira.

“Se formos usar como exemplo uma árvore, antigamente o golpe representava o machado derrubando a árvore. Agora, o golpistas agem como parasitas  que vão destruindo a nossa democracia”, afirmou.

Dilma voltou a sustentar que foi afastada do poder sem cometer crimes. A pestista disse que está sendo acusada de praticar pedaladas fiscais, mas seus antecessores também realizaram e não sofreram punições.

Estou sendo acusada de assinar quatro decretos suplementares e isso não é crime. Tanto não é, que Fernando Henrique Cardoso e Lula assinaram os mesmos decretos e não foram punidos, porque não é crime. Se não foi crime no passado, não pode ser agora”, questionou.

Ela criticou as medidas adotadas pelo goveno Temer, afirmando que o peemedebista quer acabar com o SUS, o Programa Minha Casa, Minha Vida e os direitos individuais.

“Digo que querem acabar com Minha Casa, Minha Vida porque querem tirar, exatamente, o direito dos mais humildes de terem acesso ao programa”, alertou.