O deputado federal Manoel Júnior (PMDB), escolhido pelo partido para discursar na sessão que julga o impeachment de Dilma, subiu à tribuna da Câmara Federal, no final da manhã desta sexta-feira (15), para fundamentar o voto pelo impedimento.

O paraibano refutou a tese de golpe pregada pelos governistas, fundamentando o crime de responsabilidade, segundo ele, praticado pela presidente. Júnior citou artigos da Constituição  do Código Civil para fundamentar sua tese.

“A Constituição determina que um presidente seja impedido quando comete crimes de responsabilidade. Dilma contrariou o artigo quatro da Constituição com o ordenamento de operação de crédito sem autorização legislativa. Por isso, voto pela admissibilidade do processo. Impeachment já”, defendeu o paraibano.

O deputado ressaltou o orgulho de ser indicado pelo partido para repreeentar a Paraíba, numa sessão histórica para a nação brasileira. Manoel Júnior foi um dos cinco parlamentares do partido que discursou durante a sessão.