Vexatória e constrangedora a exposição do deputado federal paraibano Aginaldo Ribeiro (PP) em defesa do impeachment da amiga pessoal e presidente Dilma Roussef.

Apesar de protestos a favor do impeachment, em frente ao apartamento do parlamentar no Altiplano Cabo Branco, semana passada, Aguinaldo ignorou a expressiva vontade dos brasileiros.

Visivelmente constrangido e com voz embargada, Ribeiro não convenceu nem a ele mesmo que a presidente deve premanecer no comando do Brasil. Tanto é, que não conseguiu influenciar os colegas de partido.

Menos de 24 horas após exposição impopular, em rede nacional, o próprio líder do PP comunicou a Dilma,  o rompimento do partido com o governo. Alegou que não deu para segurar a base. Dos 51 parlamentares na Câmara, 40 votam pela saída da presidente.

A decisão tem um simbolismo importante. Mais que aliado,  o PP é o partido responsável por toda articulação contra o impedimento. A ligação de Aguinaldo para Dilma representa o fim de um ciclo, de uma era.

Para o PT fica a lição de que há limites até para jogo sujo e as negociatas. Já para Aguinaldo, a postura dele vai mostrar que não vale a pena dar as costa para quem o elegeu.